Cadeia de Suprimentos

A influência da vacina na gestão de fornecimento das empresas

Voltar | Por Efcaz 8/2/2021

O que a logística da vacina ensina sobre a gestão de fornecimento nas empresas? Confira neste artigo os principais pontos.

Gestão de fornecimento e a tão falada e sonhada vacina, este será o assunto que anda gerando muita dúvida e que iremos abordar em nosso blog hoje. Com as vacinas para o Coronavírus sendo validadas e disponibilizadas em vários países, questões de logística, distribuição e  desenvolvimento são colocadas em pauta. O mundo da gestão de fornecedores convive todos os dias com esses fatores e nesse artigo você entende o que as empresas podem aprender sobre a relação entre distribuição e fornecimento a partir dessa situação específica.

Ninguém esperava a chegada de uma pandemia que mudaria a forma como consumimos e nos relacionamos. Desde o início do processo, em 2020, a demanda por uma vacina cresceu entre todos os países do globo, exigindo investimento em pesquisa, desenvolvimento e agora para a distribuição em uma demanda gigantesca.

Ainda que o caso das vacinas envolva empresas, institutos de pesquisa e instituições governamentais, as empresas podem tomar algumas lições importantes, no que condiz ao planejamento, execução e disponibilização para demandas grandes e rápidas, que surgem no período em que vivemos.

A seguir, separamos algumas ideias cruciais ao redor desse processo.

Gestão de fornecimento: O tempo de produção e a demanda de um novo produto

A produção de vacinas depende de várias fases e testes. São meses testando fórmulas, realizando testes e observando atentamente a eficácia nos mais diferentes corpos. Esse caso específico ilumina um processo conhecido pelas empresas: no caso de uma nova demanda, como criar uma solução o mais rápido possível?

O planejamento e o investimento em inovação são partes cruciais desse processo. Vivemos em um mundo marcado pela agilidade e por demandas relâmpago, tanto por produtos e serviços eficientes quanto pela manutenção de uma qualidade exemplar em seu fornecimento ao longo do tempo.

Esse processo exige muito planejamento e pesquisa, além da descoberta de fornecedores de matérias-primas específicas e do arranjo adequado do quadro de fornecedores.

Um exemplo pertinente pode ser encontrado na indústria de cosméticos, que enfrenta a cada dia novas demandas ambientais e comportamentais. É o caso da exigência de produtos que não sejam testados em animais e que exigem novas fórmulas e práticas laboratoriais que sejam coerentes com as demandas ambientais dos consumidores.

O setor alimentício também passa por situações parecidas, na medida em que o público acessa informações nutricionais com cada vez mais facilidade e exige alimentos saudáveis, com insumos de origem orgânicas e mais naturais. Nesse sentido, toda a política de relacionamento com fornecedores das empresas acaba qualificando o apelo do produto final em direção a públicos específicos.

Competição e qualidade no produto final

Ainda que por um bem comum, a corrida para alcançar vacinas eficientes gerou furor nos órgãos de saúde de diversos países. Fala-se a respeito de vacinas Russas, Americanas, Indianas e até mesmo da Brasileira. As notícias abordam especialmente os índices de eficácia e a capacidade desses países em oferecerem as vacinas em quantidades eficientes.

Empresas podem reconhecer nesse processo uma ocorrência constante na busca de inovação e destaque no mercado. Afinal, como fazer o produto sobressair por conta de sua eficiência e disponibilidade, equilibrando o preço final e os custos para a produção?

Mais uma vez, a gestão de fornecedores é uma peça fundamental no processo. Garantir a eficiência e a disponibilidade do produto em relação à concorrência significa encontrar os melhores fornecedores disponíveis, equilibrando produtividade e poder de alcance nos mercados.

O mercado demonstra claramente que nem sempre a empresa responsável pela inovação é quem vai lucrar mais no alcance do público. Um bom exemplo são as marcas de celulares chinesas que começam a oferecer muita competição com as tradicionais marcas ocidentais.

A capacidade de produzir equipamentos de alta qualidade em larga escala é fruto do acesso ao fornecimento de matérias-primas e políticas de trabalho coerentes com as ambições de cada negócio.

Políticas de distribuição coerentes com a demanda

O caso das vacinas é exemplar pois trata de uma demanda global e que exige uma logística multifacetada, envolvendo trocas internacionais, veículos de transporte massivos e até mesmo planejamentos de longo prazo por parte dos governos, para escoar todos os lotes para a população.

Em escala menor, esse processo é importantíssimo para empresas que buscam atender às demandas de um público cada dia mais exigente. Apesar da gestão de fornecedores parecer uma área fixa, que exige quadros de empresas parceiras e contratos a longo prazo, ela deve ser igualmente flexível, já que as demandas do mercado podem mudar ao sabor de movimentos sociais, culturais ou tecnológicos.

A pandemia acabou gerando vários exemplos desse processo, já que empresas que souberam adaptar-se rapidamente destacaram-se com a opinião pública. Um bom exemplo foram as empresas de bebidas alcoólicas que rapidamente adaptaram parte da produção para a produção de álcool gel e álcool 70.

Nesse sentido, a lição aprendida aqui é sempre considerar o impacto da empresa na sociedade e vice-versa. Nenhuma companhia é uma ilha e manter o olho em questões geopolíticas, fiscais e até mesmo em ocorrências de saúde pública, significa garantir flexibilidade, diálogo e um bom relacionamento externo.

Compliance com fornecedores

As vacinas são um produto delicado e que exige a parceria do setor público e privado para que o manejo e distribuição sejam feitos de forma adequada. Um exemplo, é o fato de que a temperatura do transporte é importantíssima para resguardar a sua eficácia final.

Especialmente as empresas do setor médico precisam sempre estar atentas às políticas de transporte e descarte das fornecedoras, para que não sejam vítimas de problemas graves na saúde de pacientes. Empresas que lidam com produtos químicos ou tóxicos têm de cuidar desses aspectos, assim como as que produzem bens alimentícios.

A gestão de fornecedores contemporânea passa pelo cuidado com toda a rede de fornecimento. Isso significa, muitas vezes, observar atentamente e marcar contratualmente as obrigações e índices de qualidade necessários para que o fornecimento seja feito com qualidade.

Um sistema tecnológico de gestão de fornecedores pode ajudar muito nesse processo, com fácil acesso às atualizações fiscais e que possibilite a criação de uma rede de fornecimento que compartilhe os mesmos valores a respeito da cultura da empresa.

Conclusão: as pessoas em primeiro lugar

O período em que vivemos é marcado pela humanização e pela consideração de valores humanos, mesmo dentro do mercado. Empresas de todos os nichos prezam pela saúde e bem estar de seus colaboradores e clientes.

Mesmo depois da vacina, esse processo continua e as lições apreendidas serão essenciais para construir um mundo mais responsável. Entenda mais sobre o assunto lendo a respeito da sustentabilidade nas empresas.

Compartilhe:

A solução ideal para otimizar sua Gestão de Fornecedores e Contratos.

Comece sua inovação agora mesmo

Confira nossas redes sociais:


English EN Portuguese PT Spanish ES