Cadeia de Suprimentos

Como evitar o efeito chicote na gestão de fornecedores

Voltar | Por Efcaz 19/5/2021

Produtos parados no estoque ou de não conseguir atender a demanda do mercado e se ver em maus lençóis? Esses são possíveis resultados do efeito chicote.

Em definição, o efeito chicote é uma falha na coordenação da relação entre demanda e estoque. Ou seja, diz respeito a como aquilo que acontece no âmbito do consumo reverbera nos elos da cadeia de produção como um todo, criando variações aberrantes causando uma série de prejuízos por conta de demandas fantasmas.

Neste artigo você vai entender melhor o que é e como resolver o efeito chicote com medidas administrativas e de gestão de fornecedores.

O que é e quais as causas do efeito chicote?

Vamos começar com um exemplo: no começo da pandemia vimos que muitas pessoas passaram a fazer compras em supermercados com o intuito de montar uma espécie de estoque doméstico de alguns produtos por causa da situação de pânico. O caso que mais chamou atenção foi o do papel higiênico. Em muitos estabelecimentos, a seção deste produto ficou esvaziada.

Naturalmente, nesse contexto, uma medida dos supermercados é solicitar maiores quantidades do produto aos fornecedores, que por sua vez aumentam a demanda às empresas que alteram seus planejamentos para aumentar a produtividade. Todo esse fluxo dá a impressão de que a tendência do consumo do produto está em alta e, para isso, as empresas devem adequar as suas solicitações aos fornecedores.

Um acontecimento no consumo, por exemplo, acabou por produzir efeitos e variações em toda a cadeia produtiva, até mesmo na relação entre produtor e fornecedor. Esse efeito ainda é exponencial, porque as micro demandas no final da cadeia indicam necessidades maiores do que as exatas, às vezes gerando demandas totalmente exorbitantes para a indústria.

Quando a demanda se demonstra ilusória, os estoques e depósitos ficam cheios, gerando problemas na cadeia produtiva e até sérios prejuízos quando os produtos são perecíveis.

Como esses exemplos demonstram, o efeito chicote acontece em situações nas quais o aumento de demanda não é uma realidade. O aumento da produção diante da informação de que o produto foi vendido mais do que normalmente não terá base de sustentação para ser absorvido das prateleiras pelo mercado consumidor.

O contrário também pode acontecer. Ou seja, por alguma imprecisão do que ocorreu no nível de consumo, a empresa pode não conseguir suprir a demanda. Portanto, o efeito chicote está relacionado com demandas fantasiosas e com a falta de sincronização entre os dados do mercado de consumo e a cadeia de produção.

Prejuízos causados pelo efeito chicote

São inúmeros os prejuízos do efeito chicote. A imprevisibilidade e a oscilação cria desgaste com os fornecedores e até mesmo prejuízos financeiros robustos. Alguns deles são:

– Imprevisibilidade do Lead time, ou seja, do tempo que o produto leva para chegar nas mãos do cliente, considerando todos os processos da cadeia de produção.

– Aumento dos custos com manutenção do estoque, sendo que, de acordo com dados, a manutenção de um estoque não planejado pode aumentar os custos de 20% a 40%, valor que poderia ser facilmente de lucro.

– Aumento dos custos com transporte e logística em geral, já que o pane gerado na cadeia de produção faz com que ajustes e soluções logísticas precisem ser mobilizados diante de imprevisibilidades e desvios dos planejamentos.

– Indisponibilidade dos produtos.

– Por último, e de importância fundamental, está o prejuízo de instabilidade nos acordos com os fornecedores

Como resolver o efeito chicote com a gestão de fornecedores?

Separamos algumas dicas:

– Sincronia e visão global da cadeia de produção

A principal dica para solucionar o efeito chicote é o conhecimento da totalidade da cadeia de produção. Mas por que algo que diz respeito à esfera do consumo seria otimizado com a visão global da cadeia?

A resposta é simples: a visão total da cadeia produtiva permite medidas de sincronização e organização entre as partes. Uma empresa é uma teia de relações com vários agentes, sendo que o que ocorre em um reverbera no outro.

Então, essa visão global permite detectar os parceiros dos quais todo o processo depende e criar sistemas de compartilhamento de informações precisas e também de controle dos processos que permitam tomar as medidas cabíveis.

Medidas tecnológicas aplicadas em grandes redes de supermercados permitem até mesmo identificar os hábitos de consumo dos clientes em sua caminhada pelos corredores do estabelecimento. Adaptar-se para essa realidade pode fazer da gestão de fornecedores uma tarefa mais inteligente e ajudar a manter os estoques em harmonia com as flutuações da demanda.

– Colaboração entre os parceiros para dados mais qualificados

A empresa adequa sua produção e os níveis de estoque de acordo com os dados e informações que vêm da ponta, do consumo. A precisão desses dados é essencial para detectar padrões e fazer planejamentos para o futuro. A partir do estabelecimento desses padrões e planejamentos, a empresa pode instaurar uma relação mais saudável e colaborativa com os fornecedores, compartilhando os dados e informando as previsões, sem deixá-los às cegas.

Os cadastros dos fornecedores devem sempre estar atualizados, e os registros de consumo devem ser mantidos à risca e devidamente digitalizados, para facilidade de compartilhamento e gestão.

Esse ponto é muito importante, já que uma das causas possíveis do efeito chicote é o agrupamento de pedidos na hora de solicitar os insumos ou outros serviços e materiais aos fornecedores. Isso pode criar a ilusão de que os pedidos estão crescendo exponencialmente, gerando uma impressão falsa de demanda aos fornecedores. Assim como mudanças súbitas de pedido podem fazer com que o fornecedor não consiga entregar no prazo estabelecido, atrasando o lead time, que como mostramos em outro artigo é essencial para a otimização dos lucros e recursos.

Assim, é importante não apenas dar atenção para a precisão dos dados coletados, mas também para como eles conformam os padrões da produção da cadeia.

Considere uma plataforma de gestão de fornecedores integrada

Um sistema inteligente e amparado em inteligência artificial pode ajudar muito a melhorar seu controle do efeito chicote. A SRM da EFCAZ é uma poderosa plataforma de gestão que permite facilidades na compreensão da demanda, na gestão de documentos com fornecedores. Trata-se de um painel completo para visualização e análise da rede de parcerias que envolvem a sua operação. Confira!

Compartilhe:

A solução ideal para otimizar sua Gestão de Fornecedores e Contratos.

Comece sua inovação agora mesmo

Confira nossas redes sociais:


English EN Portuguese PT Spanish ES